img

GRACIELA SILVA DE OLIVEIRA, 28 anos, cliente da PróAudi Ijuí e PróAudi Reabilitação

Meu nome é Dalila, sou mãe da paciente Graciela. Ela nasceu prematura de seis meses de gestação com apenas 900 gramas. Ficou na incubadora por um mês e 21 dias, até alcançar 2 kg. Em uma só noite teve 38 paradas cardiorespiratórias, o que resultou em sua situação atual, a “surdocegueira”. Com seis meses de vida a Graciela foi diagnosticada com deficiência visual e com cerca de um ano eu a levava em uma escola especial para deficientes visuais. Ela também foi diagnosticada com perda de audição. Foi encaminhada para avaliação e foi feito um BERA, e então veio a notícia da perda profunda de audição. Na época começou a usar aparelho, mas não teve acompanhamento com um fonoaudiólogo e não teve progresso.
No ano passado, a Graciela foi encaminhada para nova avaliação na PróAudi de Ijuí. Chegando ao consultório, ela não deixava nem por a mão na orelha e não deixou fazer o exame. Foi encaminhada para Porto Alegre e lá foi feita uma audiometria, voltando de lá começou um acompanhamento com a Fonoaudióloga Rejane Uhde. Até conseguirmos que ela tivesse confiança na profissional foi um longo caminho, mas após colocar novos aparelhos e ser ensinada pela fono Rejane, hoje demonstra ser outra pessoa, responde aos estímulos, reage aos sons e fica feliz ao ver que está no consultório. Só vejo progresso a cada visita a PróAudi Ijuí. 




img

NÁTALI HELENA NOVACOSKI, 19 anos, cliente da PróAudi de Ijuí

"Meu nome é Nátali Helena Novacoski, nasci em agosto de 1998, tive a perda  auditiva no hospital por causa da infecção que tive no ouvido. Minha mãe descobriu que eu tinha deficiência auditiva aos 3 anos de idade, porque ela falava de costas e eu não ouvia ela falar comigo, e aí me levou para fazer uma revisão na PróAudi (Centro Auditivo), e lá que então começaram a me acompanhar e conseguindo adquirir aparelho auditivo aos 6 anos de idade. Raramente tive vergonha de usar aparelho auditivo.
No início do ano de 2014, estava cursando segundo ano do ensino médio e técnico em Edificações, comecei usar o sistema FM para melhorar a comunicação da fala do professor(a) para eu escutar claramente dentro da sala de aula sem escutar os ruídos!
Com o uso desse Sistema FM, obtive um ganho significativo em sala de aula. Minhas necessidades de contato visual com o professor e leitura labial diminuíram, pois com o FM a voz dos mestres chega aos meus ouvidos como se eles estivessem falando ao meu lado, sem a interferência da distância física. Assim, com menos esforço de concentração dedicada ao ato de ouvir, consigo fazer anotações do conteúdo ministrado nas aulas e me canso menos ao final do dia.
E no começo do ano de 2016 com 17 anos comecei a fazer faculdade de Engenharia Civil, e continuo a utilizar sistema FM.
Quero agradecer pela ProAudi em Ijuí e em especial a Dr. Simone Comerlato e a toda equipe (pessoas gentis e queridas) da ProAudi, pelo atendimento e carinho sou muito agradecida por tudo isto.
Meu sincero abraços.”




img

MARLI RAMIRO, 42 anos, cliente da PróAudi de Ijuí

Olá! Meu nome é  Marli Ramiro, tenho 42 anos, sou natural de Três de Maio - RS, enquanto criança, meus pais perceberam que eu não estava respondendo quando falavam comigo, então eles falavam mais alto comigo. Comecei a ir na escola com 6 anos de idade, e a queixa permaneceu. Foi quando meus pais resolveram me levar para uma consulta com um ‘’especialista de ouvido’’, que descobriram que eu estava com uma perda de audição, com isso, meu pai comprou um aparelho auditivo, que eu trocava de ouvido a cada semana (7 dias em cada lado), e isso me ajudou muito, conseguia ajudar meus pais nos afazeres de casa e terminei o Ensino Fundamental Completo.
Com o passar dos anos, na adolescência, comecei a namorar e com isso desisti de usar o aparelho, pois tinha vergonha. Porém, com o tempo meu namorado foi percebendo que algo não estava certo, foi quando conversamos e expliquei que tinha uma perda de audição e precisava usar aparelho auditivo, ele me disse que não se importava com isso, e isso me motivou a usar o aparelho. Até que um certo dia meu aparelho auditivo foi ficando fraco, então, procuramos a PróAudi, consultei com uma fonoaudióloga e então ganhei dois novos aparelhos auditivos através do projeto.......... fiquei muito feliz, já não me importava mais com a aparência dos aparelhos auditivos e sim, com minha saúde, meu bem-estar.
Hoje sou casada, tenho duas filhas Adriane e Juliana, de 26 e 24 anos respectivamente, trabalho com meu esposo, e para mim é muito importante o uso dos aparelhos auditivos, não consigo viver sem eles. Faço consultas uma vez por ano na PróAudi, e sou muito grata pelo trabalho dos profissionais que lá trabalham. Agradeço a Deus e a todos da PróAudi.




img

FLAVIANE PREUSS TURQUETE, 24 anos, cliente da PróAudi de Ijuí

"Eu me chamo Flaviane, tenho 24 anos, nasci em Roque Gonzales, no hospital da daquela cidade com 2,900 kg e 53 cm, minha família estava orgulhosa me esperando, sempre fui uma menina linda com saúde, agora moro em São Luiz Gonzaga.
Quando eu tinha um ano, minha mãe percebeu que eu devia ter algum problema, pois eu não antendia quando ela me chamava.
Minha mãe me levou consultar e fazer exames com médicos especialistas, que constataram que eu não escutava.
Com 2 anos minha mãe comprou o 1º aparelho auditivo, custou muito caro, e minha mãe teve dificuldades para comprar mas com rifas e ajuda de familiares comprou o meu aparelho auditivo.
Até 5 anos tive uma vida normal, morava junto com na minha avó paterna. Frequentei a escola normal, onde encontrei muita dificuldade. Mas a minha mãe sempre me levou na fonoaudióloga, psicóloga e reforço escolar, com a minha professora Mara Rita Giacomelli.
Com 8 anos fui morar em Dezesseis de Novembro com a minha mãe e meu pai. Fiz o ensino fundamental e ensino médio em Dezesseis de Novembro, foi muito difícil, mas aprendi muitas coisas e os colegas sempre ajudaram. Enfrentei vários problemas. Tinha vergonha de ser deficiente auditiva tinha vergonha de estar com os colegas e amigos.
Anos 12 anos entendi que eu não tinha motivo para ter vergonha porque eu era pessoa normal, fazia o serviço em casa e estudava normal como qualquer outro, eu tinha mais dificuldade e só isso.
Em 2010 fui morar em São Luiz Gonzaga onde conheci o professor de Libras Benhur Trindade, e aprendi a Língua Brasileira de Sinais. Depois que aprendi a LIBRAS ficou mais o fácil falar com as pessoas surdas e ai eu também passei a compreender muito sobre tudo o que acontecia ao meu redor.
Tive sucesso em muitas coisas fiz em Técnico de Informática e formei em 2012. Sempre fiz acompanhamento em Ijui-Rs, e as fonoaudiólogas sempre me auxiliaram muito bem, foi do Pró-Audi que me encaminharam para o Implante Coclear.
Em 2012 fiz cirurgia para colocar o Implante Coclear em Porto Alegre no Hospital das Clínicas no dia 29 de outubro de 2012.
Em dezembro fiz a ativação do Implante Coclear onde fiquei muito emocionada, tudo melhorou, antes não havia diferença no som, após o implante o som ficou muito claro para mim, eu posso identificar da onde vem,  depois do Implante Coclear consigo saber pelo som quem está falando, se é um passarinho, ou um carro na rua ouvir é muito bom.
Em 2013, comecei o Magistério Curso Normal no Estadual, enfrentei muitos dificuldades e alguns problemas com alguns professores, mas me formei no ano passado em dezembro, com muito orgulho.
Hoje estou fazendo um trabalho voluntario no Lar do Idoso, ajudou as pessoas nas matérias de pintura de caixas e faço o caderno de fita com várias cores e vendo a quem quiser, auxilio os idosos em várias atividades.
Portanto nunca devemos esquecer quem nos ajudou, por isso agradeço a todos que impulsionaram as minhas vitórias...."




img

ALESSANDRA CABELEIRA MENDONÇA, 17 anos, cliente da PróAudi Ijuí

"Meu nome é Alessandra C. Mendonça, nasci em novembro de 1998, prematura de 8 meses, fiquei 38 dias na incubadora e tive a perda  auditiva através do parto.                                                                                                                
Minha mãe foi descobrir que eu tinha deficiência auditiva aos 5 anos de idade, porque eu ligava o som da televisão muito alto e ficava bem na frente e quando ela falava de costas eu não ouvia ela falar comigo, meu pai achava que eu não tinha deficiência auditiva, mas aí me levaram para fazer uma revisão na PróAudi (Centro Auditivo), e a  Dr. Fonoaudióloga Tânia Ferrari Wallau se apavorou porque eu tinha metade de perda mas me comunicava bem e tinha a leitura labial, que foi através dos ensinamentos dos meus pais. Foi no meio do ano que comecei usar um aparelho quando já estava frequentando a Escola Técnica Estadual Achilino de Santis com 5 anos de idade. No começo até tinha vergonha, meus coleguinhas achavam estranho, pois nunca tinham visto aparelhos, mas minha mãe sempre me explicava que deveria usar, pois era o melhor para mim e eu ouvia melhor, e na escola pedia para a professora sempre incentivar e ajudar.  Então comecei ir de seis em seis meses em Ijuí na PróAudi, não falhava revisões comecei a gostar de usar e ir lá.
Aos 7 anos de idade tive mais um pouco de perda, sem saber o motivo, e também ganhei aparelhos pelo governo SUS, nessa época não tinha mais vergonha até meus amigos me ajudavam em tudo e nunca me colocavam para baixo e nem deixava ninguém me colocar para o mesmo. No final no ano de 2014 quando estava no segundo ano do ensino médio técnico em Agropecuária comecei usar o FM para melhorar a minha audição na escola. Em Dezembro do ano de 2015 me formei no ensino médio técnico em agropecuária.
E no começo do ano de 2016 com 17 anos comecei fazer faculdade de Administração e também tive outra grande perda de audição, também não conseguimos descobrir o porquê dessa perda, mesmo fazendo exames. Agora no meio do ano veio outro aparelho mais adequado para minha perda, e o que eu tinha vai ser doado para outra pessoa e o FM também.
Então eu sou muito feliz com meus aparelhos auditivos, uso sempre só tiro para dormir e cuido muito, pois eu necessito muito deles para minha vida, parece que sem os aparelhos eu não sou nada, fica tudo mudo o ambiente, e com eles escuto tudo converso e me divirto com as pessoas, o ambiente em que vivo.
Eu sou muito Grata pela ProAudi em Ijuí e em especial a Dr. Tânia e Mara que começaram comigo e me acompanham desde os 5 anos de idade, e a toda equipe ProAudi, pelo atendimento e carinho sou muito agradecida por tudo isto.
Meu muito Obrigada."





JOANA MAZZONETTO, 9 anos, cliente da PróAudi de Passo Fundo

“Meu nome é Aline, eu sou mãe da Joana e a Joana usa prótese auditiva desde um ano e meio de idade, ela precisou usar prótese porque ela nasceu prematura de cinco meses e meio e a gente descobriu logo que ela tinha deficiência auditiva, então fomos atrás e conseguimos colocar a prótese e ela se adaptou muito bem e quando ela começou mais na fase da alfabetização a gente foi na neuro (médica neurologista) e ela nos passou sobre o sistema FM, que ajudaria ela na aprendizagem, então a gente procurou a secretaria da saúde do nosso município que entrou em contato com a PróAudi  e em três meses, foi  muito rápido, em três meses a Joana já estava com o aparelho, a gente já tava aqui com a professora, ai elas nos explicaram como funcionava e desde então a Joana usa o sistema FM pra tudo na aula, todos os dias, na catequese, no balé, ela faz balé e a profe usa o sistema FM, ela não sai de casa sem o sistema FM, porque até em lugares maiores que a gente vai, a gente leva porque é uma segurança também para ela. Em casa, a gente tinha que ouvir o volume da TV muito alto porque se não ela não ouvia e agora a gente ouve em média quase baixo demais e ela ouve super bem só veio para ajudar né minha filha? Muito bom, ela mesma se realizou quando a profe começou  usar ela dizia que ouvia muito bem a profe que ela ouvia os colegas, no primeiro dia que ela usou todo mundo queria falar um pouquinho para a Joana ouvir né? Foi muito bom! A gente só tem a agradecer todo mundo, principalmente ao pessoal que o atendimento foi muito rápido, sempre que a gente precisou, também depois com os moldes.”
“Oi, eu sou a Joana Mazzonetto, eu tenho 9 anos, estou na 4ª série na escola, o nome da profe é Monica. Todo mundo vai estudar depois do recreio. As meninas brincam de pega-pega, esconde esconde, depois da o sinal, guarda o material e volta para casa”.




img

ALBERI MARQUES VIANNA, 68 anos de idade, cliente da PróAudi de Santo Ângelo.

“Minha maior dificuldade no que se refere a audição estava em meu ambiente de trabalho, o qual é bastante ruidoso . Eu tinha grandes dificuldades para entender a fala de meus clientes, funcionários e familiares. Através das Fonoaudiólogas da PróAudi estou fazendo uso de aparelhos auditivos que se adaptam automaticamente conforme o ambiente que eu estou, diminuem o ruído da fábrica, fazendo com que eu possa usar o aparelho durante todo o dia, no barulho, no silêncio, na música. A assistência das Fonoaudiólogas é muito importante, pois o período inicial da adaptação é um pouco complicado, ouvimos muitos sons que não ouvíamos mais. Porém o uso diário dos aparelhos, o acompanhamento constante na clínica e a indicação do melhor modelo facilitaram todo este processo. Estou muito feliz e sempre recomendarei a PróAudi a quem precisar.”
 




img

MARIO GATTINI, cliente da PróAudi de Santo Ângelo.

“Há três anos, através da PróAudi e das suas Fonoaudiólogas, passei a usar dois aparelhos auditivos maravilhosos. Desde o início, os aparelhos sempre foram muito confortáveis, nem parece que estou usando. A qualidade do som é impressionante, quase perfeita. Gostou muito dos meus aparelhos, nunca tive problemas com eles. Cuido muito da limpeza e das manutenção dos aparelhos e, sempre que preciso, procuro a clínica, pois sou muito bem atendido. Quando encontro pessoas que tem problemas de audição falo da PróAudi, o atendimento e os aparelhos são excelentes.”
 





NARA APARECIDA DA TRINDADE GARCIA, 41 anos – cliente da PróAudi de Ijuí desde feveireiro/2013. Realizou treinamento auditivo de 12 sessões em 2015.

 “A terapia me ajudou muito.
  Eu estava com a cabeça cansada, pensava que sempre tinha um cansaço mental. Não compreendia bem o que as pessoas conversavam, não interpretava textos e tudo logo me cansava e largava tudo. Parecia uma preguiça mental. E também me desliga das conversas facilmente e até cheguei a pensar que estava ficando surda.
 Com o tratamento que realizei com a fono aos poucos recuperei a compreensão e o entendimento pelos assuntos que estudo e parece que minha mente se abriu, clareou, limpou e o cansaço do dia a dia não me afeta como antes que parece sempre tinha dor de cabeça. Como me ajudou fazer a terapia sugerida pela avaliação anual que faço para a audição na Proaudi”.
 

 





ROSALINA EMILIA DE ARAÚJO, cliente da PróAudi de Passo Fundo desde 2010.

“Eu sou Rosalina de Araujo, eu tinha problema de audição e agora eu uso aparelho, daqueles que coloca dentro do ouvido, é uma maravilha. Eu vou todos os anos, quando eu preciso eu vou lá na PróAudi, marco com as gurias, elas me atendem, são uns amores. Se todos fizessem assim não teria problema de audição, estou feliz da vida e peço não fiquem ai pensando que as crianças dizem que a gente está sem ouvir, que a avózinha não escuta, compra um aparelho auditivo, é muito bom, uma maravilha”
 





NELSON PEREIRA DA CUNHA, 67 anos de idade, cliente da PróAudi de Santo Ângelo.

“Conheci a PróAudi através da Fonoaudióloga Tânia Wallau, uma vez que fizemos uma viagem juntos, nos conhecemos na viagem. Na época eu já havia realizado exames que mostraram perda auditiva nas duas orelhas, então, após a viagem procurei a PróAudi para iniciar a adaptação dos aparelhos auditivos. No inicio eu sentia um certo desconforto ao usar os aparelhos, mas com o tempo eu me adaptei. Eu comparo muito esse processo de adaptação de aparelhos auditivos com o processo de adaptação de lentes de contato. Eu uso lentes, no inicio incomodava um pouco, mas depois de um tempo nem sentia mais elas. Sempre tinha dificuldades para ouvir em ambientes muito grandes, porém fui muito bem orientado pela Fono da clínica sobre o local e posição adequada que eu devo me sentar nesses lugares- sempre devo sentar de frente para pessoas que eu quero ouvir e de costas para o lugar de onde vem muito barulho, isso ajuda muito. Gostaria de aproveitar e dizer que, o que eu mais admiro na PróAudi, além dos maravilhosos aparelhos auditivos, é o atendimento das profissionais da clínica, a atenção que recebemos, a paciência e educação com que somos tratados e também o profissionalismo de toda a equipe.”
 





MAINARA GUSE, 31 de anos de idade, cilente da PróAudi de Santo Ângelo.

“Procurei a clínica Próaudi de Santo Ângelo, pelo fato que fui encaminha a colocar uma prótese auditiva. Na primeira consulta, após realizarmos os exames, a Fonoaudióloga me encaminhou para eu realizar uma avaliação com um médico Otorrinolaringologista, agindo, desta forma, com muita competência. Após retornei para a clínica e a Fonoaudióloga agiu com muita paciência e com uma boa dicção para me explicar sobre os tipos de aparelhos existentes e qual seria melhor para minha perda auditiva. Escolhi a prótese e dias depois a clínica entrou em contato para eu ir coloca-la. Fiquei muito contente com o atendimento e, mais ainda, de ter melhorado minha audição, pois antes de usar sentia bastante náusea, tontura e dificuldade para ouvir e compreender a fala das pessoas. Agora as náuseas e tonturas terminaram, estou ouvindo melhor e fico só me perguntando: Porque não procurei ajuda antes?! Agora parece até que estou raciocinando mais rápido. No inicio não foi fácil se adaptar com os aparelhos, eu tinha muita vontade de tirar eles, tudo incomodava- o barulho do relógio, da geladeira, mas devemos ser persistentes, pois agora quando tiro a prótese acho tudo muito baixo. Agradeço muito à clínica PróAudi!”