Fones de Ouvido e Perda Auditiva



Fones de Ouvido e Perda Auditiva
 
Nos últimos anos o uso de equipamentos portáteis como o fone de ouvido aumentou consideravelmente, sendo muito comum nos dias atuais encontrar pessoas entretidas com seus fones em atividades de lazer, como em prática de esportes, caminhadas, andando de bicicleta, em academias e ônibus, pois isso faz com que elas sintam-se menos estressadas em situações exaustivas. Normalmente, o volume do aparelho recebe maior amplificação quando o usuário encontra-se em local ruidoso, pois para compensar o ruído externo, aumenta-se a intensidade refletida no fone de ouvido.
Dificilmente as pessoas costumam ouvir o som em um volume adequado, pois muitos utilizam o volume máximo para se abstraírem do mundo à sua volta, porém esse costume pode causar  perda auditiva e como o número de indivíduos com esse hábito é crescente, a ocorrência de danos à audição têm aumentado consideravelmente.
Segundo uma pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o volume máximo que podemos suportar, sem prejuízos para a audição, é de 85 decibéis durante oito horas por dia. No entanto, alguns fones de ouvido chegam a 130 decibéis (nível de intensidade correspondente a turbina de um avião na decolagem).
Um estudo britânico chegou a conclusão de que, em decorrência do uso indiscriminado de fones de ouvido, possivelmente pessoas precisarão começar a usar aparelhos auditivos já a partir dos 50 anos. E, segundo estudos da OMS, o uso de fones de ouvido em volume alto por mais de 90 minutos por dia, aumenta o risco de o indivíduo adquirir zumbido ou perda auditiva em cinco anos contínuos de uso. Se o indivíduo fizer uso de  fones de ouvido na potência máxima, os riscos aumentam em 70%.
Existe uma preocupação em conscientizar os jovens sobre sua saúde auditiva, pois é nesta faixa etária em que ocorre maior exposição indiscriminada dos fones de ouvido em volume acima do recomendado, podendo ocasionar comprometimentos irreversíveis à audição. Além disso, a exposição a elevados níveis de intensidade sonora pode desencadear múltiplos sintomas auditivos, tais como: intolerância a sons intensos, tontura, otalgia (dor de ouvido), alterações de processamento auditivo, além de zumbido e perda auditiva.
A perda auditiva ocasionada em decorrência do uso constante de fone de ouvido possui características parecidas à provocada pela exposição ocupacional ao ruído, uma vez que esta é lenta, progressiva, irreversível, do tipo neurossensorial, bilateral e acomete inicialmente as frequências altas e depois as demais frequências.
Tenha cuidado com a sua audição: repense o hábito de ouvir sons em volume máximo, sendo o ideal ouvir a música e os sons externos concomitantemente; prefira os fones de ouvido que se posicionam externos à orelha; dê um descanso aos seus ouvidos, evite ficar muito tempo exposto a ruídos altos; cuide da higienização de seus fones de ouvido (eles podem conter bactérias e levá-las para dentro do ouvido, ocasionando infecções), higienize-os com álcool sempre que possível. 
Estas são dicas e informações para que possamos cuidar e conservar um dos principais sentidos do corpo humano: a AUDIÇÃO.

Texto elaborado pela Fonoaudióloga da PróAudi- Soledade, Luana Almeida Turela.
Fontes:
 http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v13n2/49-10.pdf
http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v16n3/1982-0216-rcefac-16-3-0779
http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v16n4/1982-0216-rcefac-16-4-1097.pdf