Respiração Oral: por que cuidar?



A respiração é uma das funções vitais e inatas do ser humano e a sua qualidade irá ser determinada pela forma como ela acontece. Quando a respiração ocorre pelo nariz, o ar passa por um processo de umidificação, limpeza e aquecimento, processo esse que o prepara para a chegada nos pulmões. Quando a respiração ocorre pela boca, há uma série de alterações que irão influenciar o desenvolvimento e/ou desempenho de diversas estruturas e funções importantes.

A respiração influencia diretamente o crescimento e desenvolvimento craniofacial. Ao inspirar e expirar pelo nariz as pessoas estão aerando diferentes estruturas, as quais iram manter a harmonia da face. Na respiração oral, há a alteração da força e mobilidade de lábios, língua e bochechas, prejudicando assim funções como a mastigação e deglutição, alteração da oclusão dentária e da estética facial. Em crianças pode gerar dificuldades relacionadas a fala, a questões atencionais e do sono, além de dificuldades de aprendizagem.

A respiração oral, pode ocorrer por hábito, como no caso do uso prolongado de chupeta, ou ainda por obstruções presentes no caminho que ar inspirado deve percorrer até chegar nos pulmões. As obstruções podem ser causadas por alergias, tamanho aumentado de alguma mucosa (adenoides), desvio de septo, entre outros, o que faz com que os indivíduos precisem respirar pela boca.

A Fonoaudiologia tem como um de seus objetivos de atuação, a prevenção, habilitação e reabilitação das funções respiração, mastigação, deglutição e fala. Dessa forma, o Fonoaudiólogo irá desenvolver ações que conscientizem e reabilitem a respiração nasal em quadros de respiração oral.

É válido ressaltar que na maioria desses casos, em função da série de alterações provocadas pela respiração oral, é necessária a atuação multidisciplinar, envolvendo além do Fonoaudiólogo, o Médico Otorrinolaringologista, Odontólogo e Fisioterapeuta.

É preciso estar atento as características da pessoa que respira pela boca:
  • Normalmente apresentam face alongada;
  • À noite, possuem sono agitado, podem apresentar apnéia, roncar e babar no travesseiro;
  • São pessoas que apresentam rendimento físico diminuído, cansam mais fácil;
  • São desatentas, em crianças podem haver rendimento escolar abaixo do esperado;
  • Podem ter halitose e estar sempre com os lábios ressecados;
  •  E apresentar diminuição do alfato e paladar.
Sempre que estas características forem observadas é importante procurar por uma avaliação fonoadiológica, para que o tratamento seja iniciado o mais cedo possível, evitando assim maiores prejuízos a qualidade de vida.